Skip to content Skip to footer

Encerrando Ciclos

E O Dia Do Senhor, Demora Ainda?

ANTES DE PROSSEGUIR, POR FAVOR, VEJA ESSA IMPORTANTE INFORMAÇÃO

OBRIGADO PELA ATENÇÃO. ABAIXO ESTÁ O CONTEÚDO QUE BUSCOU:

Qualquer cristão genuíno não deveria ter dificuldades para compreender a absoluta inutilidade do sacerdote israelita que, em cumprimento ao estabelecido pela religião, resolveu realizar o primeiro ritual de sacrifício no Templo de Jerusalém logo após ter se rasgado sozinho, desde o topo de seus 18 metros de altura até o chão, seu grosso véu.

Como um jovem castigado por não ter dado o devido valor ao precioso conteúdo pelo qual o Pai o tornou responsável desde a infância, se rebela por ver seu tesouro cheio de complexidades sendo aberto e simplesmente compartilhado com o irmão mais novo: alega que o Pai está presente num muro, quebra taças a cada matrimônio na intenção de que sua Preciosa Pedra Mortal seja restabelecida…

HERANÇA

Alguns irmãos mais velhos podem se tornar bastante enciumados e traiçoeiros quando se sentem ameaçados ou desprezados por causa dos mais novos: se não é raro saber de rupturas familiares — e até assassinatos! — por causa de disputas por bens materiais, quanto mais sórdidas não serão as tramas por algo que, apesar de imaterial, pode prover a vida terrena de conforto e ainda oferecer uma perspectiva de vida eterna?
Pois é dessa forma que podemos considerar o comportamento dos israelitas, particularmente de seus sacerdotes, quando viram que a principal razão de seu renome e influência diante do mundo não mais seria exclusiva!

Não estou me referindo apenas aos vendilhões e cambistas, expulsos por Cristo sob chicotadas, mas até aos próprios sacerdotes, destinados dentre os da mais pura linhagem Levita e treinados para, mediante a prática de todos os rituais e sacrifícios no Templo (até então únicas formas válidas para que os homens pudessem “enviar recados” ao Senhor Deus), tomar os dízimos:

E eis que aos filhos de Levi tenho dado todos os dízimos em Israel por herança,
pelo ministério que executam,
o ministério da tenda da congregação.
E nunca mais os filhos de Israel se chegarão à tenda da congregação, para que não levem sobre si o pecado e morram.
Mas os levitas executarão o ministério da tenda da congregação, e eles levarão sobre si a sua iniquidade;
pelas vossas gerações estatuto perpétuo será;
e no meio dos filhos de Israel nenhuma herança terão,
Porque os dízimos dos filhos de Israel, que oferecerem ao SENHOR em oferta alçada, tenho dado por herança aos levitas;
porquanto eu lhes disse:
No meio dos filhos de Israel nenhuma herança terão.

(Números 18:21-24 – ACF)

EIS AQUI UM VALIOSO ESTUDO DE BRIAN ANDERSON
COM PROFUNDA PESQUISA NAS ESCRITURAS:

DIZIMAR x DADIVAR

(VERSÃO ATUALIZADA EM NOVEMBRO DE 2021)

Assim como na questão dos dízimos, escrevo aqui em busca de sanidade simplesmente porque as interpretações anacrônicas das escrituras não têm o poder de “congelar” o Senhor Deus: a personalidade d’Ele nunca muda, porém foi também Ele quem inspirou homens a registrar profecias sobre as radicais mudanças necessárias a cada “era”!
Encontramos um perfeito exemplo disso nos registros do profeta Isaías:

Ora, quem creu em nossa pregação?
E a quem foi revelado o Braço de Yahweh?
Ele cresceu diante dele como um broto tenro e como uma raiz saída de uma terra árida e estéril.
Ele não aparentava qualquer formosura ou majestade que pudesse atrair os seres humanos,
nada havia em seu aspecto físico pelo que pudéssemos ser cativados.
Pelo contrário, foi desprezado e rejeitado pelos homens,
viveu como homem de dores,
experienciou todo o sofrimento.
Caminhou como alguém de quem os seus semelhantes escondem o rosto,
foi menosprezado,
e nós não demos à sua pessoa importância alguma.
E no entanto, suas dores eram as nossas próprias enfermidades que ele carregava em seu ser.
Sobre seu corpo levou todas as nossas doenças;
contudo nós o julgamos culpado e castigado por Deus.
Pela mão de Deus ferido e torturado.
Mas, de fato, ele foi transpassado por causa das nossas próprias culpas e transgressões,
foi esmagado por conta das nossas iniquidades;
o castigo que nos propiciou a paz caiu todo sobre ele,
e mediante suas feridas fomos curados.

(Isaías 53:1-5 – KJA)

AVISO PRÉVIO

Quase oitocentos anos antes do Verbo se fazer carne, Isaías já antecipava não apenas o cumprimento definitivo do ministério levítico — mediante a chegada do Sacerdote perpétuo, nunca mais poderiam levar sobre si iniquidade alguma, nem de Israel, nem de ninguém mais —, mas apresentava uma vívida descrição dos detalhes e eventos relacionados a Cristo… como se até mesmo já os houvesse presenciado!

O fato é que nenhum homem pode substituir ou suplantar Cristo em seu sacerdócio eterno: apesar de toda estrutura israelita ter sido construída em torno da função religiosa, parece que — mesmo lidando, através de séculos e diariamente, com as manifestações do próprio Deus! — ou nunca chegaram a crer ou se rebelaram contra o cumprimento profético, sequer se preparando para lidar com sua aposentadoria compulsória.

Os fariseus, conhecidos por sua avareza, escutavam tudo isso e procuravam ridicularizar a Jesus.
Ele, no entanto, lhes admoestou:
“Vós sois os que justificais a vós mesmos à vista das pessoas,
todavia Deus conhece o vosso coração;
pois àquilo que as pessoas atribuem grande valor é detestável aos olhos de Deus.
A Lei e os Profetas profetizaram até João.
Dessa época em diante estão sendo pregadas as Boas Novas do Reino de Deus,
e todos tentam conquistar sua entrada no Reino.

(Lucas 16:14-16 – KJA)

Qualquer ser humano sente receio pela perspectiva de lidar com novas rotinas ou, pior ainda, de ser forçado a compartilhar algo que tinha como sua perpétua e exclusiva propriedade: nossos “irmãos mais velhos” não foram (nem são) diferentes, passando imediatamente a odiar e suprimir toda e qualquer coisa que se relacionasse a Jesus Cristo, tramando contra o ungido do Senhor até que, efeito contrário ao esperado, seu “monopólio” foi sumariamente encerrado no exato momento em que Ele foi sacrificado.

HIATO INFINITO, O PRIMEIRO

Não podemos deixar de notar que houve um “hiato” entre o início da existência de João Batista e, diante da ruptura do grosso véu do Templo, a concretização do fim da Lei, assim como, detentores do poder, os sacerdotes e fariseus nunca facilitaram a vida dos cristãos.
Eis um relato do que ocorreu após os apóstolos, que foram miraculosamente libertos da prisão e, ao contrário de fugir, decidiram ir pregar o Evangelho no pátio do inutilizado Templo… até que fossem trazidos às autoridades:

E, depois de trazê-los, os apresentaram ao Sinédrio.
E o sumo sacerdote os interrogou:
Não vos ordenamos expressamente que não pregásseis nesse Nome?
Contudo, enchestes Jerusalém dessa vossa doutrina e quereis lançar sobre nós a culpa pelo sangue desse homem?”
Ao que Pedro e os demais apóstolos afirmaram:
“É necessário que primeiro obedeçamos a Deus, depois às autoridades humanas.
O Deus de nossos antepassados ressuscitou a Jesus,
a quem vós assassinastes, crucificando-o num madeiro.
Deus, no entanto, o exaltou,
elevando-o à sua direita, como Príncipe e Salvador,
a fim de dar a Israel arrependimento e perdão de pecados.
Ora, nós somos testemunhas destes fatos,
bem como o Espírito Santo, que Deus concedeu aos que são obedientes a Ele!”
Ao ouvir estas palavras, eles muito se enfureceram e queriam matá-los.

(Atos 5:27-33 – KJA)

Enfim, Israel simplesmente se recusa a aceitar o cumprimento de seu ciclo e o aperfeiçoamento que tanto simplifica a rígida Lei ritualística de acesso ao Senhor Deus quanto estende a responsabilidade por tal papel a gentios ungidos não com óleo, mas pelo recebimento do Espírito Santo:

Siga os exemplos de fé, nunca a ritualística!

Desse modo, a Lei se tornou nosso tutor a fim de nos conduzir a Cristo,
para que por intermédio da fé fôssemos justificados.
Agora, no entanto, havendo chegado a fé,
já não estamos mais sujeitos a esse tutor.

(…)

Por causa de Jesus Cristo,
que é a fiel testemunha,
o primogênito dentre os mortos
e o príncipe dos reis da terra.
Àquele que nos amou,
e em seu sangue nos lavou dos nossos pecados,
E nos fez reis e sacerdotes para Deus e seu Pai;
a ele glória e poder para todo o sempre.
Amém.

(Gálatas 3:24-25 – KJA / Apocalipse 1:5-6 (com ajuste de concordâncias) – ACF)

E tendo sido nós, “irmãos mais novos”, revestidos de tamanhas autoridade e responsabilidade, nossa primeira lição em obediência é compreender que não cabe a nós promover qualquer forma de retaliação a nossos irmãos mais velhos, principalmente porque a convocação do salmista não foi abolida:

Rogai ao Eterno pela paz de Jerusalém:
“Prosperem os que te amam, ó Jerusalém!
Haja paz dentro das tuas muralhas e segurança em teus palácios.”

(Salmos 122:6-7 – KJA)

Ainda assim não podemos deixar de reconhecer que, infelizmente e tal qual o filho pródigo, pelo Pai haver encerrado o ciclo dos rituais pelos quais tinham responsabilidade exclusiva, os israelitas têm agido em rebelião desde que surgiu a Igreja, feito de tudo para exterminar o Evangelho da Graça:

Naquela mesma ocasião, o rei Herodes mandou prender alguns que pertenciam à igreja, com o objetivo de maltratá-los,
e matou a Tiago, irmão de João, por execução ao fio da espada.
Observando que essa atitude agradava aos judeus, prosseguiu,
ordenando também a prisão de Pedro, durante a festa dos pães sem fermento.

(Atos 12:1-3 – KJA)

O tempo não arrefeceu sua proatividade pelo restabelecimento das práticas e doutrinas da Lei: até hoje podemos encontrar seus sórdidos emissários infiltrados entre as muitas empresas eclesiásticas — cujos líderes, ávidos por dinheiro e ignorantes da Escritura, apenas querem ver seus auditórios lotados — para, acenando com bênçãos e sinais, enfeitiçar multidões de pessoas malditas até que neguem a Verdade do Evangelho, desfocando sua fé de Cristo para tocar em réplicas da arca da aliança, queimar papéis onde escreveram os nomes de amigos e familiares ou, principalmente, ofertar muito além de dízimos a pessoas que nunca chegaram perto de ser levitas…

Porque o fim da Lei é Cristo,
para justificação de todo o que crê.

(Romanos 10:4 – KJA)

Enfim, sabendo que Cristo é maior que a Lei e n’Ele ela se cumpriu, a única coisa revelada através de cristãos que buscam reativar quaisquer partes de seus rituais… é ignorância que leva à heresia.

FONTE DA VIDA

No último dia, o mais solene dia da festa, Jesus colocou-se em pé e clamou em pranto:
“Se alguém tem sede, deixai-o vir a mim para que beba.
Aquele que crê em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva.”
Mas Ele se referiu ao Espírito que, mais tarde, receberiam os que nele cressem;

pois o Espírito Santo até aquele momento não fora concedido, porque Jesus não havia sido ainda glorificado.

(João 7:37-39 – KJA)

O cristianismo puro nasceu do sangue de Cristo e, sob forte perseguição, cresceu regado pelo sangue dos mártires que, cheios do Espírito Santo, se revestiam da mais absoluta confiança para enfrentar a morte com a dignidade de quem nunca, a despeito de qualquer pretexto, negaria sua fé.

A maioria dos cristãos era obrigada a se ocultar e alguns até viviam em catacumbas.
Os que frequentavam a sociedade poderiam ter seus bens expurgados apenas por demonstrar simpatia pelo cristianismo e, não negando com veemência o cristianismo através de sacrifício aos deuses, normalmente eram sentenciados à morte.
Tamanha e inacreditável determinação era baseada no que o próprio Senhor Jesus Cristo havia dito:

Quando o Filho do homem vier em sua glória, com todos os anjos, então, se assentará em seu trono na glória nos céus.
Todas as nações serão reunidas diante dele,
e Ele irá separar umas das outras,
como o pastor separa os bodes das ovelhas.

(…)
Assim sendo, todo aquele que me declarar diante das pessoas,
também eu o declararei diante de meu Pai que está nos céus.
Entretanto, qualquer que me negar diante das pessoas,
também Eu o negarei diante de meu Pai que está nos céus.
(…)
Na casa de meu Pai há muitos aposentos;
se não fosse assim, Eu o teria dito a vós.
Portanto, vou para preparar-vos lugar.
E, quando Eu me for e vos tiver preparado um lugar,
virei de novo e vos levarei para mim,
a fim de que, onde Eu estiver, estejais vós também.

(Mateus 25:31-32, 10:32-33 / João 14:2-3 – KJA)

PRAZO DE VALIDADE

Ou seja, assim como o fim do ministério sacerdotal da Lei mosaica se deu em Cristo, o ministério evangelístico do Cristianismo — que através d’Ele torna todo e qualquer cristão em rei e sacerdote — também se encerrará n’Ele, através de seu retorno triunfal, mas…

Da mesma forma que as profecias entregues pelo profeta Isaías desagradaram e foram ignoradas pelos israelitas, as revelações proféticas deixadas pelos apóstolos acabaram se tornando tão ofensivas a alguns que se dizem cristãos — particularmente os que, exatamente como os levitas, tornaram de tal forma a fé em profissão que são capazes de, principalmente pela preservação de seus títulos e proventos, omitir parte da Verdade e até ameaçar com excomunhão, morte e inferno a todos que ousarem não se submeter ao sistema religioso do qual fazem parte.

Assim como, no passado, surgiram falsos profetas entre o povo,
da mesma forma, haverá entre vós falsos mestres,
os quais introduzirão, dissimuladamente, heresias destruidoras,
até ao cúmulo de negarem o Soberano que os resgatou, atraindo sobre si mesmos repentina destruição.
Muitos seguirão seus falsos ensinos e práticas libertinas,
e por causa dessas pessoas, haverá difamação contra o Caminho da Verdade.
Movidos por sórdida ganância, tais mestres os explorarão com suas lendas e artimanhas.
Todavia, sua condenação desde há muito tempo paira sobre eles,
e sua destruição já está em processo.

(2 Pedro 2:1-3 – KJA)

Não serão os ímpios sem religião que vão blasfemar o caminho da verdade, mas sim os falsos mestres junto às legiões de energúmenos por eles fabricadas… e isso é simplesmente inevitável.

CONTAMINAÇÃO

Jesus lhes contou outra parábola:
“O Reino dos céus é semelhante a um homem que semeou boa semente em seu campo.
Entretanto, quando todos dormiam, chegou o inimigo dele, lançou o joio no meio do trigo, e seguiu o seu caminho.
Assim, quando o trigo brotou e formou espigas, o joio também apareceu.
Os servos do dono da plantação foram até ele e perguntaram:
‘Senhor, não semeaste boa semente no teu campo? Então, de onde vem o joio?’.
Ele, porém, lhes respondeu:
‘Um inimigo fez isso’.
Então os servos lhe propuseram:
‘Senhor, queres que vamos e arranquemos o joio?’
Ao que o senhor respondeu:
‘Não, pois ao tirar o joio, podereis arrancar juntamente com ele o trigo.
Deixai-os, pois, crescer juntos até à safra, e, no tempo da colheita, direi aos ceifeiros:
‘Primeiro ajuntai o joio e amarrai-o em feixes para ser queimado;
mas o trigo, recolhei-o no meu celeiro’”.
(…)
E Jesus explicou:
“Aquele que semeou a boa semente é o Filho do homem.
O campo é o mundo,
e a boa semente são os filhos do Reino.
O joio representa os que pertencem ao Maligno.
O inimigo que semeou o joio é o Diabo.
A colheita é o final desta era,
e os ceifeiros são os anjos.
Da mesma maneira que o joio é colhido e jogado ao fogo, assim será no fim desta era”.

(Mateus 13:24-30 / 37-40 – KJA)

Conforme já mencionado, o cristianismo nasceu perseguido e, ainda assim, não parava de crescer, porém o próprio Senhor Jesus já havia profetizado sua contaminação assim que “todos” — numa possível referência aos apóstolos originais que, por exemplo, nunca transigiriam qualquer sincretismo ou aceitariam ser idolatrados sob forma de estátuas — “dormiram”, ou seja, findaram sua existência terrena: o joio foi semeado justamente quando Roma travestiu seus deuses em estátuas dos apóstolos e “oficializou” o cristianismo.
Considerando que Cristo não mente e suas palavras são axiomas, podemos dizer que toda a visibilidade artística e cultural florescidas a partir desse episódio são, quando não abjetas, no máximo meramente ilustrativas, ou seja, não alteram ou acrescentam absolutamente nada à mensagem encerrada nas Escrituras.

Outra conclusão — bastante mais indigesta tanto para a vaidade humana quanto para os imaturos na fé — é que a partir desse amálgama profano nunca, simplesmente NUNCA existiu perfeição na Igreja!
Assim como preferiu não revelar um mapa exato do futuro e diferentemente das minuciosas determinações da Lei, o Senhor Deus não nos permitiu criar uma “fórmula perfeita”, reservando para si próprio, através da multiforme ação do Espírito Santo, a capacidade de salvar apenas os que Ele assim deseja.

Ninguém pode vir a mim a menos que o Pai, o qual me enviou, o atrair;
e Eu o ressuscitarei no último dia.

(…)
Como consequência, a fé vem pelo ouvir as boas novas,
e as boas novas vêm pela Palavra de Cristo.

(…)
Porquanto Cristo não me enviou para batizar, mas para proclamar o Evangelho;
não por meio de palavras de sabedoria humana, para que a cruz de Cristo não seja esvaziada.
Pois a mensagem da cruz é loucura para os que estão sendo destruídos,
porém para nós, que estamos sendo salvos, é o poder de Deus.

(…)
Considerando que, na sabedoria de Deus, o mundo não o conheceu por meio da sabedoria humana,
foi do agrado de Deus salvar os que creem por intermédio da loucura da proclamação da sua mensagem.

(João 6:44 / Romanos 10:17 / 1 Coríntios 1:17-18, 21 – KJA)

Exceto a certeza de que não há fé verdadeira fora das Escrituras, nada que nós façamos pode subverter o que foi planejado por aqu’Ele que, mesmo tendo limitado a Si próprio de alterá-la, nunca esteve limitado pelos grilhões do tempo e por isso nos revelou ser Alfa e Ômega ao mesmo tempo: Ele exatamente agora está abrindo o Mar Vermelho com Moisés, ao meu lado enquanto escrevo, ao seu enquanto lê e no trono do juízo, já julgando grandes e pequenos desse mundo!
Desse modo, podemos compreender que a passagem abaixo nunca foi uma questão:

Porventura Deus não fará plena justiça aos seus escolhidos, que a Ele clamam de dia e de noite, ainda que lhes pareça demorado em atendê-los?
Eu vos asseguro:
Ele vos fará sua justiça, e depressa.
No entanto, quando o Filho do homem vier, encontrará fé em alguma parte da terra?

(Lucas 18:7-8 – KJA)

SÓ QUEM IGNORA AS ESCRITURAS
TENTA COBRIR PRÁTICAS IMUNDAS
DIZENDO:

NÃO JULGUEIS!

Ora, haja vista que o campo onde joio e trigo crescem juntos é o mundo e não o Corpo de Cristo, uma Igreja que não exerce seu chamado ao constante julgamento, não usa o rastelo da exortação para manter em ordem o trigo nem expurga de volta ao mundo o joio que ali tenta germinar… acaba se tornando, de fato, um organismo doente pela contaminação.

A Reforma foi uma providencial injeção de penicilina permitida por Deus, mas as novas doenças também já consumiram, por dentro, até os protestantes: uma “nova reforma” simplesmente significaria o adiamento do retorno de Cristo…

SEGUNDO HIATO, O IMPRECISO

Se mesmo tendo a existência de João Batista como declarado prefixo para o fim do ciclo da Lei o processo só foi se encerrar com a ruptura do véu do Templo, o que podemos deduzir através da informação a seguir?

Caros Irmãos,
quanto ao retorno do nosso Senhor Jesus Cristo e à nossa reunião com Ele,
vos suplicamos que não permitais que vosso modo de crer seja influenciado,
nem fiqueis amedrontados por causa de profecia, palavra ou carta atribuídos indevidamente à nossa autoria,
como se o Dia do Senhor já tivesse chegado.
Não vos deixes enganar de forma alguma, por ninguém.
Porquanto, antes daquele Dia virá a apostasia
e, então, será revelado o homem da iniquidade, o filho da perdição.

(2 Tessalonicenses 2:1-3 – KJA)

Ora, na apresentação dessa trajetória há não apenas um, mas dois pontos destacados: PRIMEIRO vem a APOSTASIA, DEPOIS se revela o FILHO DA PERDIÇÃO e só a partir dessa revelação e a consequente construção de um reinado é que o Senhor irá se revelar, porém o apóstolo complementa a informação:

No entanto, vós sabeis o que o está detendo nesse momento, para que ele seja manifestado no seu devido tempo.
Na realidade, o mistério da iniquidade já está em ação,
restando tão somente que seja afastado aquele que agora o detém.

(2 Tessalonicenses 2:6-7 – KJA)

Logo que comecei a me interessar por escatologia não era capaz de compreender a diferença entre a Igreja e as empresas eclesiásticas… e tenho certeza que muitos cristãos não têm tal discernimento porque simplesmente nós “nascemos” dentro das empresas eclesiásticas e, tal qual os israelitas que sacrificavam no Templo, não ousamos crer que o Senhor possa se manifestar além desse modelo ritual e estrutural!

Por conveniência, abrimos mão de nosso papel como reis e sacerdotes — através do sangue de Cristo e do Espírito Santo que nos habita — e optamos por permanecer como crianças espirituais pelo tempo de nossa existência.

Quanto a isso, temos muito que ensinar, assunto difícil de explicar,
especialmente porque vos tornastes indolentes para aprender.
Apesar de que, a essa altura, já devêsseis ser mestres, ainda estais precisando de que alguém vos instrua mais uma vez quanto aos princípios elementares da Palavra de Deus.
Voltastes a necessitar de leite, quando já devíeis estar recebendo alimento sólido!
Ora, quem precisa alimentar-se de leite ainda é criança, e não tem experiência no ensino da justiça.
No entanto, o alimento sólido é para os adultos,
os quais, pelo exercício constante da fé, tornaram-se capazes de discernir tanto o bem quanto o mal.

(Hebreus 5:11-14 – KJA)

Outorgamos nossa responsabilidade espiritual a homens que, exatamente como os sacerdotes levitas, se profissionalizaram — alguns até mesmo, sem nunca ter sido verdadeiramente vocacionados, usando habilidades humanas como inteligência, simpatia, carisma, malandragem… — para conquistar seu sustento, sendo passíveis da mesma repreensão registrada contra os israelitas:

As sentinelas de Israel estão cegas e não tem conhecimento,
todas elas são como cães mudos, incapazes de latir.
Deitam-se e sonham;
só querem dormir.
São cães devoradores, insaciáveis.
São pastores sem compreensão nem entendimento;
todos apenas seguem seu próprio caminho natural,
cada um busca com avidez vantagens apenas para si.

(Isaías 56:10-11 – KJA)

A verdade, caro leitor, é que a Igreja se caracteriza apenas por aqueles que verdadeiramente receberam o Espírito Santo, o penhor da salvação e aquele que capaz de ter permanecido impedindo a manifestação do homem da iniquidade desde que assim foi revelado por Paulo.
Por alguns séculos pudemos testemunhar a empresa eclesiástica funcionando como portadora e propagadora da Igreja, mas não há como definir com precisão qual evento iniciou o descolamento das estruturas: ouso dizer que foi sua obrigatória caracterização como pessoa jurídica e submissa ao Estado, mas também não se pode ignorar as manifestações da rua Azusa…

CAMPO DE BATALHA

Certamente, diante da gritante apostasia, estamos vivendo no tempo desse segundo hiato e temos apenas nas Escrituras a única e sólida referência para salvação, sendo simplesmente impossível generalizar qualquer outro modelo ideal de segurança:

Mesmo que muitas empresas eclesiásticas nem se preocupem em ocultar que estão acorrentadas às influências politicamente corretas de Satanás, ainda existem algumas — poucas e lideradas por homens tão severos quanto piedosos — onde se é possível ter vislumbres da Igreja: se você é parte de uma como essas, participe, ore por seu pastor (por ser ele um dos poucos bastiões de resistência ainda existentes) e saiba que, chamando-o o Senhor, seu sucessor já será mais um desses seduzidos pelo pragmatismo empresarial promovido nos seminários.

Infelizmente esses mesmos poucos bons pastores só viveram na era em que a empresa eclesiástica esteve amalgamada à Igreja e, em seu ministério sacerdotal, não cogitam a possibilidade que Deus possa agir sem os sacrifícios no Templo, digo, atividades na empreja, digo, modelo que esteve vigente durante suas existências: generalizam e lançam duras palavras — mesmo que algumas vezes biblicamente incoerentes — contra qualquer um que rompeu com o sistema, crendo que todos os seus pares profissionais sejam servos como ele e, muitas vezes, empurrando alguns que chegaram a entender que saiam da Babilônia de volta a lugares que possivelmente se tornaram verdadeiras sinagogas de Satanás.

Quanto aos “desigrejados”, de fato, seria mentira não reconhecer que muitos deles não passam de criaturas indisciplinadas e ansiosas por, supostamente “justificadas pela decepção”, se entregar com sofreguidão a toda forma de carnalidade, impiedade ou, tão terrível quanto, rejudaização.
Digo isto por experiência pessoal nesses mais de quinze anos estudando e persistindo em aprender e entender as Escrituras: não foram poucos os que se aproximaram para conhecer meus estudos e que hoje estão vivendo de forma absolutamente reprovável, destacando particularmente alguns cuja decepção inicial contra a empresa eclesiástica acabou se tornando uma grande e obscena rebelião contra o próprio Deus.

Por fim, assim como os sacerdotes do ciclo que se encerra buscam trazer desqualificação generalizada sobre qualquer um que não mais frequente um templo de empresa eclesiástica, também já testemunhei entre esses um desprezo automático por qualquer um que ainda persista buscando sanidade entre os corpos contaminados: de fato, não há mais nenhuma franquia eclesiástica (denominação) incólume, porém ainda restam pontuais bastiões onde se busca a prática do cristianismo autêntico e pelos quais, sem dúvida, vale a pena lutar.

O BOM COMBATE

Não são poucas as pessoas incapazes de compreender corretamente o que verdadeiramente está sendo ordenado na seguinte passagem, da qual apresentarei duas traduções:

Portanto, acheguemo-nos a Deus com um coração sincero e com absoluta certeza de fé,
tendo os corações aspergidos para nos purificar de uma consciência culpada,
e os nossos corpos lavados com água pura.
Sem duvidar, mantenhamos inabalável a confissão da nossa esperança, porquanto quem fez a Promessa é fiel;
e consideremos uns aos outros,
para nos encorajarmos às manifestações de amor fraternal e às boas obras.
Não abandonemos a tradição de nos reunirmos como igreja, segundo o procedimento de alguns,
mas, pelo contrário, motivemo-nos uns aos outros,
tanto mais quanto vedes que o Dia está se aproximando.

(Hebreus 10:22-25 – KJA)

Cheguemo-nos com verdadeiro coração, em inteira certeza de fé,
tendo os corações purificados da má consciência,
e o corpo lavado com água limpa.
Retenhamos firmes a confissão da nossa esperança;
porque fiel é o que prometeu.
E consideremo-nos uns aos outros,
para nos estimularmos ao amor e às boas obras,
Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns,
antes admoestando-nos uns aos outros;
e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia
.

(Hebreus 10:22-25 – ACF)

A tradução King James fornece um perfeito entendimento de que devemos nos achegar a Deus, coisa que a Almeida permite interpretar como “achegar à congregação”, assim como depois leva ao entendimento confuso de que é costume de alguns abandonar a congregação, detalhe que a KJA elabora de forma mais esclarecedora.
Por outro lado, a King James não deixa tão clara a prioridade, destacada pela Almeida, da ADMOESTAÇÃO, o que me levou a buscar o texto grego onde se basearam ambas as traduções:

μη εγκαταλειποντες την επισυναγωγην εαυτων καθως εθος τισιν
αλλα παρακαλουντες και τοσουτω μαλλον οσω βλεπετε εγγιζουσαν την ημεραν

(Hebreus 10:25 – TR)

Ou seja, o principal assunto tratado nessa passagem é, tendo o coração sincero e a certeza da fé — coisa que só pode ocorrer se baseada na Palavra — a admoestação contra o pecado tem precedência até mesmo sobre o tradicional ato de congregar: levando em conta que o joio estava apenas sendo semeado na época em que essa passagem foi escrita, é esperado que se refira a uma congregação sã, concordante e obediente às ordens apostolares (que posteriormente seriam compiladas nas Escrituras), sem medo de excluir da congregação qualquer um que se rebelasse diante das exortações.

Infelizmente a profecia de 2 Pedro 2:1-3 (transcrita acima) se cumpriu na atualidade, tornando comum encontrar grupos de pessoas que se reúnem em torno de falsos mestres e, na mais perfeita e absoluta comunhão, aceitam e seguem seus falsos ensinos e práticas libertinas a fim de não apenas blasfemar o caminho da verdade, mas de difamar e vilipendiar qualquer cristão genuíno — rei e sacerdote de Deus — que ouse exortá-los e expor suas práticas malignas.

As sementes de joio germinaram com força e arrombaram as portas das empresas eclesiásticas, tornando-as largas a ponto das ideologias progressistas assumirem o controle do que pode ou não ser dito e feito pelas instituições que um dia foram as representantes mais legítimas do Corpo de Cristo neste mundo: enquanto Pedro enfrentava o sumo-sacerdote do Templo dizendo que obedecia primeiramente a Deus, hoje os profissionais da religião não apenas obedecem cegamente as profanas e “laicas” autoridades humanas, mas se pelam de medo dos movimentos de suposta “justiça social” e do linchamentos politicamente corretos que promovem.
E eu nem falei do esoterismo…

Já vos adverti por carta que não vos associásseis a nada que fosse imoral.
Dizendo isso, não me refiro às pessoas imorais deste mundo, nem aos avarentos, ou aos ladrões, ou ainda, aos idólatras.
Se assim fosse, seria necessário que saísseis do mundo.
Entretanto, agora vos escrevo para que não vos associeis com qualquer pessoa que, afirmando-se irmão, for imoral ou ganancioso, idólatra ou caluniador, embriagado ou estelionatário.
Com pessoas assim não deveis sequer sentar-se para uma refeição.
Pois, como haveria eu de julgar os que estão fora da igreja?
Todavia, não deveis vós julgar os que são de dentro?

(1 Coríntios 5:9-12 – KJA)

Se nem para comer junto esses apóstatas servem, quanto mais para prestar culto em comunhão!
Volto a destacar que O CAMPO É O MUNDO e é lá, não na Igreja, onde o joio, incapaz de negar-se a si mesmo, deve ser enviado e permanecer.

Ora, quando vos reunirdes em o Nome do Senhor Jesus, e eu estando convosco em espírito, diante da presença do poder de nosso Senhor Jesus, entreguem esse homem a Satanás, para que a carne dessa pessoa seja destruída, mas seu espírito seja salvo no Dia do Senhor.
Esse vosso orgulho não é bom.
Não sabeis que um pouco de fermento faz com que toda a massa fique fermentada?

(1 Coríntios 5:4-6 – KJA)
Empresas eclesiásticas inclusivas, pastores profissionais vocacionados pelo deus Mamom, rejudaização, pastoras, apóstolos, ministérios de dança, prognosticadores se disfarçando de profetas, estelionato espiritual, manipulação emocional, alterações do estado natural de consciência, deturpação ou abandono das Escrituras, desvio de foco no culto que deveria ser prestado exclusivamente a Deus… ainda que centenas estejam presentes e em concordância diante de coisas como essas:
0
Esqueci de algo? O que você acrescentaria a essa lista?x

Então, ouvi uma outra voz dos céus que exclamava:
“Retirai-vos dela, povo meu,
para não serdes cúmplices em seus pecados
e para não participardes das pragas que a atingirão!”.

(Apocalipse 18:4 – KJA)

CONCLUSÃO

Todas essas coisas apontam o cumprimento profético e a aproximação do momento em que será retiradoaquele que detém” o filho da perdição.

A esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás,
com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira,
E com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem.
E por isso Deus lhes enviará a operação do erro,
para que creiam a mentira;
Para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniquidade.

(2 Tessalonicenses 2:9-12 – ACF)

Meu coração dói ao ver homens que vêm pregando a Verdade por décadas simplesmente se comportando como os sacerdotes do antigo Templo, ameaçando com condenação e desqualificando o cristianismo de quem não faz mais parte de suas empresas e ignorando as profecias apenas por não crer que o ciclo do modelo de ritual no qual se profissionalizaram também esteja chegando ao fim…

A surdez — com a qual o Senhor me permitiu ser tocado — tornou o modelo de culto racional que tanto defendo praticamente inacessível para mim: o excesso de ruídos torna os muitos sons no mínimo incompreensíveis, quando não dolorosos devido ao volume.
O vocabulário de Libras é limitado e nem chega perto de transmitir alguma mensagem que possa acrescentar à minha edificação: nenhuma empresa eclesiástica parece se preocupar em legendar seus cultos, porque pessoas movendo as mãos têm maior destaque para sinalização de virtude.
Louvo ao Senhor com os hinos que conheci enquanto podia ouvir — o que não é ruim diante de tanto lixo produzido pela indústria fonográfica gospel — e minhas publicações são prova de que em Sua palavra medito de dia e de noite.

Sinceramente vejo que alguns episódios de discussão entre os que defendem as empresas eclesiásticas e os que foram levados a sair delas poderiam até ser comparados ao conflito que houve entre Barnabé e Paulo… só lamentando que os sacerdotes ignorem o cumprimento profético das Escrituras e busquem fulcro institucional para justificar a manutenção de seu “status quo”.
No final das contas, sou levado a crer que tanto os pastores quanto alguns dos erroneamente chamados “desigrejados” — incluindo a mim mesmo, a despeito das razões — estamos fazendo nosso melhor para apresentar a Verdade de acordo com a medida multiforme de entendimento que recebemos do Espírito Santo: nossa justiça não justifica nossos pecados e nossa salvação só é possível através de Jesus Cristo.

Ora, quem é injusto, continue na injustiça;
quem é mundano, continue na impureza;
mas quem é justo, firme-se na prática da justiça;
e quem é santo, continue a buscar a santificação.

(Apocalipse 22:11 – KJA)

Obrigado por ter lido até aqui e, verdadeiramente, preciso de qualquer colaboração que puder me oferecer: comentários, compartilhamentos e reações ajudam a divulgar este conteúdo que foi produzido com intenção de colaborar para a edificação do Corpo de Cristo no mundo.
Um link encurtado e de fácil memorização para essa postagem é:

https://cutt.ly/fim-de-ciclo

Desejando colaborar financeiramente com qualquer valor, minha chave PIX principal é [email protected] e essa imagem é do meu QR code: meu nome é Geovane Ignácio de Souza, o trecho do CPF a aparecer deve ser o “927.157” e a instituição financeira é o Nubank.

Por mais que queira, destaco que não tenho em mim mesmo a menor capacidade de forçar o Pai a te abençoar por causa disso, mas oro a Ele pedindo para que, no tempo correto e na medida multiplicada, retribua a bondade realizada da forma mais adequada: seja através de livramentos ou de diversas bênçãos possíveis.

Parafraseando o apóstolo Paulo em Efésios 6: 23-24: que a graça e a paz sejam conosco, todos os que amam a nosso Senhor Jesus Cristo em sinceridade, hoje e para todo o sempre!

Ficou querendo ver melhor a imagem de abertura?

Por favor, curta e compartilhe
para alcançar mais pessoas!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr

Notificação De Postagens Por E-mail

Em 04 de outubro de 2021 algumas das maiores redes sociais passaram horas desligadas.
Há rumores de que um “GRANDE APAGÃO” será sucedido por OPRESSIVO CONTROLE SOCIAL virtual.
Não posso prever o real impacto, mas, caso seja possível, continuarei estudando e publicando sobre as Escrituras: inscreva-se para, a partir da próxima, receber notificação em seu e-mail a cada nova publicação n’O Pior Evangelho.

(CASO NECESSÁRIO, OPORTUNAMENTE SERÁ ENVIADO CONTEÚDO INTEGRAL)

OUTROS TEXTOS DO MESMO AUTOR

Inscrição
Notificação de
2 Comentários
Velhos
Mais novos Mais votados
Respostas inline
Ver todos os comentários
2
0
O que está achando? Por favor, comente!x